Importância da odontologia em roedores e lagomorfos (coelhos)

Por Dr. Roberto Fecchio
Doutor pela FMVZ-USP, Mestre pela FMVZ-USP e pós-graduado em Odontologia Veterinária.

Vocês sabiam que cerca de 60% dos problemas clínicos de roedores e lagomorfos podem ter origem dentária*?

Diversos fatores estão associados a etiologia dos problemas dentários, como predisposição genética, alto índice de co-sanguinidade nas criações, traumatismos e, mais frequentemente, erro no manejo alimentar.

A criação de roedores e coelhos como PET gerou grande modificação nos hábitos alimentares aos quais estas espécies foram adaptadas. Evolutivamente, a dentição destes animais está apta a alimentação vegetal (herbívoros), com baixa qualidade nutricional (poucas calorias) e muito dura (rica em lignina, sílica, celulose e hemi-celulose). Isso é decorrente das regiões que estas espécies habitam (Cordilheira dos Andes e norte da Europa), regiões muito frias, com solo e vegetação ruins. Desta forma, os animais comem grande quantidade de alimento duro durante o dia, promovendo alto índice de desgaste dentário, essencial aos animais elodontes, cujos dentes crescem a vida toda.

Já como animais de estimação, estes animais comem ração, nutricionalmente muito rica. Assim, comem pouco e não promovem desgaste dentário, predispondo ao alto índice de maloclusões.

Esta é uma explanação muito aceita hoje em dia pelos médicos veterinários, mas ainda pouco considerada pelos criadores e vendedores de animais, que orientam os proprietários de forma errônea.

Sabendo que mais das metades destes animais apresentam problemas odontológicos, você está apto em diagnosticar isso? Está apto em tratar? Como promover excelência em seu atendimento?

Contate sempre um especialista.

Referência:
*Diseases in pet degus: a retrospective study in 300 animals.
Jekl V, Hauptman K, Knotek Z.
J Small Anim Pract. 2011 Feb;52(2):107-12

Deixar uma resposta